Imprensa
Foto: Rita Batista

Numa altura em que o Governo prepara um novo plano nacional de apoio aos sem-abrigo, o JPN ouviu diversas associações que operam no setor para saber o que recomendam à tutela.

O Governo comprometeu-se a apresentar até ao final de março um novo plano nacional para cidadãos sem-abrigo. O Ministério da Segurança Social considera necessário que sejam feitas alterações à Estratégia Nacional para Integração de Pessoas Sem-Abrigo, que vigorou entre 2009 e 2015.

A Comunidade Vida e Paz elaborou uma petição, com mais de 4 mil assinaturas, que solicita a criação de um novo plano nacional de apoio aos sem-abrigo ou a continuação da estratégia nacional.

O que mudar?

A Associação dos Albergues Noturnos do Porto (AANP) presta apoio à população sem-abrigo, entre os 18 e 64 anos, durante 24 horas por dia, todos os dias do ano. O apoio passa pelo acolhimento noturno – são registadas anualmente 30 mil dormidas – pela alimentação, serviços de saúde, distribuição de roupa e reinserção social com atividades ocupacionais e entrevistas de emprego.

Em conversa com o JPN, Daniela Silva, assistente social da AANP, afirma que, para o novo plano, é primordial “ouvir os técnicos que estão no terreno” para que se possam colmatar as falhas existentes.

Para além disso, destaca que durante o processo de reabilitação e reinserção é muito importante permitir que o utente faça a gestão do seu próprio espaço e dinheiro. Para tal, sugere que se estabeleçam mais parcerias com entidades empregadoras que aceitem receber pessoas que se encontram “nesta condição”. Os técnicos que acompanham diariamente os utentes estabelecem uma ponte entre as partes…

In: https://jpn.up.pt/2017/02/15/instituicoes-apoio-aos-sem-abrigo-apelam-melhores-condicoes/